Ileides Muller

Feliz é o poeta que traduz a vida e reinventa a rotina.

Textos


Poeta não tem razão social.
Seu ofício principal
não requer Alvará.

É catador de invisível.

Sai por aí removendo entulhos
juntando banalidades
limando versos...

De tanto insistir
adquire competência.

Verso não precisa de estabelecimento,
nem de endereço
para existência fixa.
Reside na língua,
vive por aí.

Ofício de poeta é peneirar vocábulos
polir expressões enferrujadas
fabricar encaixes mentais
amarrar palavras com arame linguístico
sustentar poemas
e ensiná-los a andar
com as próprias pernas.


(Do livro CATADOR DE INVISÍVEL, P. 67)
Ileides Muller
Enviado por Ileides Muller em 07/04/2018
Alterado em 24/04/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Citar a autoria: Ileides Muller.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras