Ileides Muller

Dormi semente, acordei flor. É dia de poesia!

Textos


ZAQUEU


 Sentia-se indigno
de merecer atenção.
 
Queria só vê-lo de perto.
Não o tocaria
nada lhe diria
apenas olhá-lo queria.
 
Misturou-se à multidão
para ver o Mestre passar
- era tudo o que desejava -,
mas lhe faltava estatura.
 
Correu adiante de todos
e, à beira do caminho,
em uma árvore frondosa
subiu feito um menino.
 
Queria ser invisível!
 
Escondeu-se na ramagem
encolheu-se na quietude,
mas um olhar o tocou
e uma voz o alcançou:
“Zaqueu, desce depressa,
preciso ir à tua casa”.
 
Coração em brasa...
Sentiu que tinha valor.
Obedeceu,
sem olhar para trás,
e a vida, cheia de desvios,
encontrou o caminho
a esperança e a paz.


Do livro TERRA SANTA - Um passeio poético - p. 33
Ileides Muller
Enviado por Ileides Muller em 07/08/2019
Alterado em 07/08/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Citar a autoria: Ileides Muller.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras